Publicidade

Atlântida o Continente Perdido



A Atlântida teria sido uma antiga ilha ou continente, cuja existência ou localização nunca foram confirmadas. Platão, filósofo grego, foi o primeiro a falar sobre o assunto. Pouco se sabe de Atlântida, segundo o filósofo, a ilha foi destruída por um desastre natural cerca de 9000 anos antes da sua era.

Este tema vem sendo abordado há anos e tem gerado diversas opiniões. Muitos estudiosos interpretam como uma metáfora de uma catástrofe global, outros acreditam que seja pura mitologia.

Para outros, a Atlantida não é apenas um continente perdido. Lá existia uma civilização avançada com tecnologia bem desenvolvida.
Mas a verdade é que até hoje não existe nenhuma evidência arqueológica ou geológica. As pesquisas continuam, volta e meia, você houve falar de um grupo de pesquisadores que tenta achar algo que ajude a decifrar este enigma.

Há ainda, teorias que defendem a idéia de que, na verdade, a Atlântida teria se mudado para outro planeta com ajuda de extraterrestes.

4 comentários:

  1. Rode Madalena de Jesuz1 de dezembro de 2008 09:48

    ...mais uma curiosidade, as pirâmides do Egito e as do México (Astecas) estão praticamente na mesma linha do tropico de capricórnio, e se dividirmos o tropico em três partes iguais colocando Egito, México (Asteca), e um terceiro ponto no oceano Pacifico próximo a costa leste do Japão teremos uma pirâmide perfeita com seu cume no pólo magnético norte ou sul, mas, o que seria esse terceiro ponto? Na Bíblia Ezequiel faz profecias contra a cidade de Tiro comparando-a à uma cidade antiga que teria sido inundado pelas águas. Ezequiel cp.26-15,17,18,19,20,21. ´Assim diz o Senhor DEUS a Tiro: Porventura não tremerão as ilhas com o estrondo da tua queda, quando gemerem os feridos, quando se fizer uma espantosa matança no meio de ti? 16 E todos os príncipes do mar descerão dos seus tronos, e tirarão de si os seus mantos, e despirão as suas vestes bordadas; se vestirão de tremores, sobre a terra se assentarão, e estremecerão a cada momento; e por tua causa pasmarão. 17 E levantarão uma lamentação sobre ti, e te dirão: Como pereceste, ó bem povoada e afamada cidade, que foste forte no mar; ela e os seus moradores, que atemorizaram a todos os seus habitantes! 18 Agora, estremecerão as ilhas no dia da tua queda; sim, as ilhas, que estão no mar, turbar-se-ão com tua saída. 19 Porque assim diz o Senhor DEUS: Quando eu te fizer uma cidade assolada, COMO AS CIDADES QUE NÃO SE HABITAM, quando eu fizer subir sobre ti o abismo, e as muitas águas te cobrirem, 20 Então te farei descer COM OS QUE DESCEM À COVA,AO POVO ANTIGO, e te farei habitar nas mais baixas partes da terra, em lugares desertos ANTIGOS, com os que descem à cova, para que não sejas habitada; e estabelecerei a glória na terra dos viventes. 21 Farei de ti um grande espanto, e não mais existirás; e quando te buscarem então nunca mais serás achada para sempre, diz o Senhor DEUS. ´Ezequiel cp.27-32,34. ´32 mapa E no seu pranto levantarão uma lamentação sobre ti, e lamentarão sobre ti, dizendo: QUEM FOI COMO TIRO, como a que foi destruída no meio do mar? 33 Quando as tuas mercadorias saiam pelos mares, fartaste a muitos povos; com a multidão das tuas riquezas e do teu negócio, enriqueceste os reis da terra. 34 No tempo em que foste quebrantada pelos mares, nas profundezas das águas, caíram, no meio de ti, os teus negócios e toda a tua companhia.`Que cidade e esta que Ezequiel fala? Seria Atlântida? Historiadores acreditam que Atlântida poderia ter existido no oceano Atlântico, mas, Isaias fala de um povo desconhecido que viviam em ilhas além da Etiópia, ou seja, oceano Pacífico. Isaias cp. 18-1,2,3.´Ai da terra que ensombreia com as suas asas, que está além dos rios da Etiópia. 2 Que envia embaixadores por mar em navios de junco sobre as águas, dizendo: Ide, mensageiros velozes, a um povo de elevada estatura e de pele lisa; a um povo terrível desde o seu princípio; a uma nação forte e esmagadora, cuja terra os rios dividem. 3 Vós, todos os habitantes do mundo, e vós os moradores da terra, quando se arvorar a bandeira nos montes, o vereis; e quando se tocar a trombeta, o ouvireis.`
    Então, este terceiro ponto seria a fascinante Atlântida, que estaria submersa nas profundezas do oceano Pacifico nas proximidades do Japão? E o que seriam as pirâmides realmente, pontos de referencia, algum sistema de comunicação, mas, pra que e pra quem? Rode Madalena de Jesuz.

    ResponderExcluir
  2. FREDDY VS JASON

    Por Lucas


    Mais ou menos. Esta foi a impressão que tive ao final da sessão em que vi o tão comentado Freddy Vs. Jason pela primeira vez. Entretanto, nem sempre a primeira impressão é a que fica. E muita gente estava elogiando o filme, o que me levou a acreditar que talvez eu estivesse sendo muito rabugento e muito crítico na primeira avaliação. Logo, um mês depois, resolvi encarar uma segunda sessão para ver se mudava minha opinião.
    Depois de encarar uma reprise, meu novo parecer: mais ou menos. Mas mais para menos do que para mais. Freddy Vs. Jason realmente não é nem tão divertido quanto falam, nem tão surpreendente quanto elogiam, nem tão despretensioso quanto parece. É uma meia bomba, só não uma bomba inteira justamente porque o filme não se leva a sério o tempo todo. Mas, infelizmente, em alguns momentos se leva. E tão a sério que chega a ser constrangedor.
    A maioria das críticas sobre o filme que eu li dizem que este é um filme mais de Freddy Krueger do que de Jason. Pois eu discordo totalmente. Embora o filme seja narrado, no início, por Freddy, e o próprio Freddy seja um elemento importante na história, é visível que quem brilha na produção é Jason. Para começar, Freddy não mata ninguém o filme inteiro! O trabalho sujo fica todo para Jason. Assim, ao psicopata das garras de aço resta perseguir algumas vítimas em seus pesadelos (muito mais sem graça do que aqueles mostrados por Wes Craven no filme A Hora do Pesadelo, em 1984, com um orçamento irrisório se comparado ao desta produção recente). E também fazer suas piadinhas sem graça, como se tornou uma constante desde a parte 3 de suas "aventuras" solo.
    Bem, é meio inútil falar da história em um filme que se chama Freddy Vs. Jason. É óbvio que um projeto assim só existe para justificar o duelo entre os dois personagens. Mesmo assim, percebe-se claramente que os produtores do filme estão mesmo levando a coisa a sério! Sim, porque ao invés de abordar o combate puro e simples, os roteiristas Damian Shannon e Mark Swift enrolam o espectador durante mais de uma hora com dezenas de detalhes completamente relevantes, mas que parecem ter a maior importância dentro da história (esqueça, eles não têm!). Deixando, assim, para o final o tão prometido duelo entre as duas hediondas criaturas.
    O filme começa com narração de Freddy Krueger e uma colagem de várias cenas dos filmes anteriores da série "A Hora do Pesadelo" (infelizmente, não fizeram o mesmo com Jason). Freddy conta que se divertia muito com as crianças de Elm Street até que seu nome caiu no esquecimento quando os adolescentes da nova geração foram criados sem qualquer informação sobre a existência do psicopata. Ora, sem conhecer Freddy Krueger, os jovens não podem sonhar com ele. E, assim, o assassino caiu no esquecimento, condenado ao limbo.
    Até que Freddy tem uma idéia espantosa: entrar nos sonhos do serial killer Jason Voorhees, que está morto e enterrado (bom, enterrado sim, mas não propriamente morto), passando-se pela sua mãe, a sra. Voorhees, e fazendo o matador de adolescentes acreditar que deve se mudar de Crystal Lake para Elm Street e chacinar os jovens de lá. Com isso, Freddy espera que um clima de desespero e paranóia se instale novamente no local, fazendo com que os adolescentes voltem a falar em Freddy Krueger, o que lhe daria o poder de voltar com força total aos pesadelos da garotada.
    Bem, vamos dizer que, até esse ponto, a história realmente faz um mínimo de sentido e lógica e soa até divertida. Temos até uma cena de nudez gratuita à beira do lago de Crystal Lake, algo que não se via desde a parte 7 de Sexta-Feira 13, lá no final dos anos 80 (é, faz tempo...). Mas é só Freddy colocar em prática seu plano diabólico de usar Jason como marionete que o filme vira um festival de furos.
    Primeiro, como Jason foi de Crystal Lake a Elm Street? De ônibus ou pedindo carona na estrada? Ou simplesmente caminhando? Difícil que algum pedestre ou motorista não tenha percebido numa figura enorme e putrefata, com máscara de hóckey e um facão ensangüentado, caminhando rumo a uma cidade (Springwood). O que os roteiristas esquecem, talvez, é que uma figura como Jason pode, sim, passar despercebida no meio da floresta, ao redor do campo de Crystal Lake, mas jamais poderia se locomover sem provocar suspeitas em uma cidade (onde ele se esconderia, por exemplo? Num hotel ou numa pensãozinha barata?).
    Somos logo apresentados aos heróis e vítimas do filme, um bando de adolescentes patetas como convém ao gênero, mas tão chatos e desinteressantes que torna-se maçante quando percebemos que seremos obrigados a passar com eles a próxima 1h30min de filme. Lori, Kia e Gibb são três amigas desmioladas que estão na casa de uma delas, sozinha em casa. Logo surgem dois rapazes e a "festinha" começa. Literalmente, já que Jason surge e mata o namorado de Gibb, apunhalando-o várias vezes antes de dividi-lo ao meio no colchão - um festival de sangreira lembrando os melhores momentos de Jason na sua série regular.
    Quando a polícia chega para "controlar a situação" (leia-se "recolher o cadáver"), o nome de Freddy é citado pelos policiais e Lori escuta. Ela comenta com os amigos, dando alguma força para Freddy Krueger voltar aos pesadelos da garotada. Mas ele ainda não está forte o suficiente para começar a matar.
    E Jason, onde está? Não sei, perguntem ao roteirista. Vamos dizer apenas que entrar sorrateiramente em uma casa pela porta dos fundos e matar apenas uma pessoa lá dentro não é bem o estilo do psicopata. Ora, o cara é um monstro imortal, uma besta humana, sem qualquer noção de inteligência ou planejamento dos seus atos. Considerando o que ele faz nos filmes da série Sexta-Feira 13, Jason, no mínimo, deveria entrar na casa derrubando a porta da frente, sem descansar até matar todos os jovens lá dentro (e não matar apenas um e ir embora rapidinho com medo da polícia... O cara é imortal, pô!).
    Outro detalhe: que fim leva Jason entre este primeiro crime e os demais? Bem, o mínimo mesmo que se deveria esperar do serial killer era que ele fosse entrando de casa em casa na rua Elm matando gente a torto e a direito, inclusive os próprios policiais. Mas não é o que ele faz. Jason revela-se um assassino contido e paciente, quase um Michael Myers (que nunca foi), esperando até suas vítimas estarem sozinhas para agir. Misteriosamente, os mesmos roteiristas que criaram este "Jason boiola" esquecem tudo depois e voltam a mostrar o psicopata alucinado, atacando um rave cheia de jovens no seu velho estilo... Mas calma que já chegamos lá.
    Bem, enquanto Jason volta ao seu esconderijo depois de cometer o primeiro assassinato (o que ele fazia lá? Lia "O Senhor dos Anéis"? Assistia TV? Jogava videogame?), descobrimos que um ex-namorado de Lori, Will, supostamente desaparecido, está bem vivo, mas internado numa clínica para doentes mentais. Na verdade, a instituição é uma espécie de "depósito" dos jovens que tinham pesadelos com Freddy Krueger, separados dos demais para não "contaminar" os adolescentes da rua Elm com a paranóia e o medo. Eles tomam um medicamento experimental chamado Hypnocil (aparentemente, o mesmo que Nancy, a personagem de Heather Langenkamp, tomava em A Hora do Pesadelo 3), um supressor dos sonhos.
    Pois não é que Will e seu amigo Mark, dois amigos idiotas como poucos, conseguem fugir da bem cuidada instituição médica? Pior: conseguem chegar a Springwood sem levantar suspeitas e até caminhar livremente pelas ruas e pelo colégio onde Lori estuda (acreditem se quiserem!). A lenga-lenga em cima da volta de Will e seu relacionamento com Lori, as explicações para a internação na clínica e o tal do Hypnocil tomam um tempo danado de filme e retardam a matança, o que jamais deveria acontecer em um filme bobo e sem pretensões, como este. É como se os roteiristas estivessem levando tudo a sério e quisessem explicar tudo tintim por tintim, tomando o público de idiota.
    Para piorar, não bastassem todos estes elementos e informações, ainda inventam mais uma trama paralela onde Will é acusado do assassinato da mãe de Lori, mas jura ter visto seu pai esfaqueando a mulher - algo que está aí apenas para enrolar, ou "encher lingüiça", como se diz por aqui -, retardando a luta de Freddy e Jason.
    E Freddy, por falar nisso? Bem, ele nunca está forte o suficiente para começar a matar. E quando finalmente está, perde sua primeira vítima (Gibb) para Jason, que chega antes. É o suficiente para deixar o assassino das navalhas nos dedos totalmente puto da cara. Ele resolve que antes de voltar à sua carreira de crimes, terá que se livrar do "cúmplice" de uma vez por todas. E é aí que o filme perde o rumo de vez.
    Entram mais e mais personagens que nada acrescentam a trama, inclusive um maconheiro e um policial que acredita que há um serial killer "imitando" os crimes de Jason Voorhees (claro, os policiais nunca acreditam que há um assassino imortal à solta por aí). É quando rola a cena que realmente vale o preço do ingresso: Jason totalmente alucinado, e em chamas, invadindo uma festa rave realizada em um milharal, matando umas boas dezenas de jovens antes de, mais uma vez, desaparecer (o que eu chamo de "voltar para seu esconderijo").
    Mais blábláblá entre policiais, mais blábláblá entre as vítimas, mais enrolação, mais personagens entrando e falando bobagens, até que os jovens resolvem voltar à instituição onde Will estava internado e roubar o Hypnocil, para que não tenham mais pesadelos. Pois, sabe-se lá porque, Jason também tomou o mesmo rumo (com qual objetivo, só os roteiristas sabem, talvez nem eles). Paralelamente, em uma coisa que não se via desde A Hora do Pesadelo II, Freddy possui o corpo do maconheiro (na forma de uma ridícula lagarta, em citação a "Alice no País das Maravilhas") e se livra do Hypnocil. Depois, coloca Jason para dormir com sedativos. É justamente isso que Freddy quer: Jason dormindo, para que possa sonhar com ele.
    No pesadelo de Jason (!!!), temos o primeiro duelo entre os dois monstros. Totalmente ridículo, devo dizer. Freddy faz Jason voar e bater em canos da sua velha refinaria, como se fosse uma bolinha de pinball. Hahahahaha, gargalha o cinema inteiro. Bem, acho que rir não deveria ser a proposta de um filme de horror, ainda mais estrelado por dois ícones do moderno cinema de horror, mas deixa para lá. E tome porrada do Freddy, e tome piadinha sem graça, até que o assassino leva a melhor, aprisionando Jason na água - supostamente, a única coisa de que ele tem medo, já que morreu afogado. Só faltou os roteiristas lembrarem que nos filmes da série Sexta-Feira 13, Jason nunca teve medo de água.
    Os jovens que sobraram, enquanto isso, levam o corpo adormecido de Jason para Crystal Lake (!!!). Acreditam que, em seu território, a luta entre ele e Freddy será mais fácil. Lori dorme e "entra" no pesadelo de Jason (como eles fazem isso???), trazendo Freddy para o mundo real. Agora, ele terá que acertar as contas com Jason de uma vez por todas, enquanto o assassino de Crystal Lake aproveita para despachar mais alguns adolescentes desta para melhor.
    Tirando algumas bobagens (Freddy disparando tubos de gás em Jason, por exemplo), a luta final entre os dois é bem realizada e tem tudo aquilo que o restante do filme não tem: bastante sangue e violência. Freddy esquarteja Jason de todas as formas enquanto este decepa braços e arranca pedaços de Freddy a facadas. É um verdadeiro duelo de titãs. Pena que no final tudo acaba em empate técnico (é ver para crer). Mas alguém aí realmente acreditou que um dos dois ia vencer?
    Bem, resumindo, acho que o filme enrola muito para chegar naquilo que todo mundo espera: a luta entre Freddy e Jason. Hypnocil, a morte da mãe de Lori, a fuga de Will, os adolescentes que não podem sonhar, isso tudo é balela, enrolação que não acrescenta nada à história. Os roteiristas poderiam ter caprichado mais no duelo entre os dois assassinos e muito bem reduzido a duração do filme para 1h20min, no máximo, cortando o blablabla e boa parte dos detalhes que estão sobrando.
    Mas teriam que melhorar também a história, porque não cola essa de Jason andar por Springwood cometendo assassinatos isolados, como nunca fez. E também reduzir um pouco a bobagem. Poucas piadas são engraçadas, há cenas ridículas (como aquela em que dois maconheiros confundem Jason com um fazendeiro e mandam ele ir fazer sexo com ovelhas), péssimas interpretações (principalmente de Jason Ritter, que, como Will, não pára de sorrir nem por um momento, mesmo nas cenas onde supostamente deveria estar triste ou assustado).

    Meu veredito: justamente um filme mais ou menos. O diretor Ronny Yu foi muito melhor em "A Noiva de Chucky", onde tinha um roteiro infinitamente mais simples e divertido para trabalhar. Aqui, a história é tão ridícula que chega a espantar o fato de até mesmo o diretor levar certos momentos mais a sério do que deveria (colocando música sinistra e ritmo lento, como se aquilo fosse um filme de suspense "sério").
    Infelizmente, o filme ficou longe de ser aquilo que eu esperava: uma sátira total, como Sexta-Feira 13 Parte 6, com mortes engraçadas e gozação em geral com o gênero. Parece que todos os envolvidos no projeto ficaram com medo de partir para a brincadeira assumida - até os atores estão interpretando como se fosse um filme "sério".
    Na soma geral, Freddy Vs. Jason ganha uma nota 5, talvez até menos. Zero para sua proposta, zero para seu objetivo, cinco pelo pouco de diversão que ele oferece. Mas que dá uma saudade danada dos primeiros filmes das duas séries (Sexta-Feira 13 e A Hora do Pesadelo), ah, isso dá... Talvez os americanos tenham desaprendido a fazer bons "slasher movies"...

    CURIOSIDADES

    - Freddy Vs. Jason foi um projeto anunciado no início dos anos 90. Desde então, até sua realização, dezenas de roteiros diferentes foram escritos, inclusive um envolvendo uma seita satânica e o fim do mundo!
    - A primeira vez em que a idéia de juntar Freddy e Jason foi discutida aconteceu em 1987. Na época, os direitos da série Sexta-Feira 13 pertenciam à Paramount, que nem quis saber da idéia - a parte 7 da série estava sendo produzida.
    - Inicialmente, os personagens de Alice (heroína em A Hora do Pesadelo 4 e 5) e Tommy Jarvis (que apareceu em Sexta-Feira 13 partes 4, 5 e 6) estariam no roteiro de Freddy Vs. Jason.
    - O diretor Ronny Yu não quis colocar Kane Hodder (intérprete de Jason desde a parte 7) neste filme, magoando o ator. Yu argumentou que Kane não tinha os olhos expressivos.
    - Jason Bateman (do picareta "O Garoto do Futuro 2") era a primeira escolha para o papel de Will, que ficou com Jason Ritter.
    - Três finais diferentes foram considerados para o filme:

    1-) Após o "duelo", Will e Lori começavam a transar, até que o rapaz passasse a agir como maníaco, surgindo na sua mão uma luva igual à de Freddy, com a qual ele estraçalha o peito da namorada.
    2-) Freddy e Jason lutam dentro do lago, que de repente começa a secar num redemoinho, sugando os dois para o "inferno". Entretanto, quando o pai de Lori chega, a garra de Freddy sai do chão e o mata.
    3-) Freddy e Jason são sugados para o inferno e continuam a luta entre as chamas. Até que correntes aparecem do nada e aprisionam os dois. Eis que surge Pinhead (da série " Hellraiser") e pergunta: "Bem, cavalheiros, vocês poderiam me dizer qual é o problema?". Este final foi descartado porque a New Line não tinha os direitos sobre o personagem Pinhead, mas certamente seria muito, muito divertido, assumindo a avacalhação geral.

    - Quando o filme foi projetado em exibições de teste, para ver como o público reagia ao filme, não foi mostrado o final. Em seu lugar aparecia uma mensagem dizendo: "O final desta batalha só será conhecido em 15 de agosto de 2003" (a data de estréia). Assim, ninguém saberia o "vencedor" do duelo.
    - Quando Will está no hospital psiquiátrico e assiste sobre os assassinatos em Springwood na TV, a sigla da emissora é KRGR, uma brincadeira com o sobrenome "Krueger". Em A Hora do Pesadelo, Glen (Johnny Depp) está escutando uma rádio com o mesmo nome antes de ser morto por Freddy.
    - Quando perguntaram sua opinião sobre o filme, Wes Craven (o criador de Freddy Krueger) resumiu: "É mais forte na ação do que na história".
    - Uma fala de Freddy ("how sweat, flesh meat" / "que ótimo, carne fresca") em A Hora do Pesadelo 4 foi adaptada no final, quando ele diz para Kia, que é negra, a frase "How sweat, dark meat!" ("Que ótimo, carne escura").
    - A instituição psiquiátrica mostrada no filme, onde Will está aprisionado, chama-se Westin Hills. É o mesmo hospital onde Freddy foi gerado (quando sua mãe, freira, foi estuprada por criminosos violentos) e o mesmo cenário de A Hora do Pesadelo 3.
    - Em "A Noiva de Chucky", Ronny Yu dirigiu o falecido John Ritter, filho de Jason Ritter, que aqui interpreta Will.
    - O diretor da escola onde os personagens principais estudam é Robert Shaye, produtor de todos os episódios da série A Hora do Pesadelo (e também deste filme), creditado com o pseudônimo L. E. Moko.
    - Segundo os roteiristas, o prédio em obras em Crystal Lake, quando Freddy e Jason brigam, é o mesmo prédio que será usado, no futuro, para congelar Jason, como mostrado no filme Jason X.

    Lucas Puro Caminhoto

    FREDDY VS JASON (Freddy Vs Jason, EUA, 2003). New Line, 98 minutos
    Direção: Ronny Yu
    Roteiro: Damian Shannon e Mark Swift, baseados em personagens criados por Wes Craven e Victor Miller
    Produção: Sean S. Cunningham
    Produção Executiva: Douglas Curtis
    Fotografia: Fred Murphy
    Música: Graemme Revell
    Edição: Mark Stevens
    Direção de Arte: Ross Dempster
    Elenco: Robert Englund (Freddy Krueger), Ken Kirzinger (Jason Voorhees), Monica Keena (Lori Campbell), Jason Ritter (Will Rollins), Kelly Rowland (Kia), Katharina Isabelle (Gibb), Christopher George Marquette (Charlie Linderman), Brendan Fletcher (Mark Davis), Tom Butler (Dr. Campbell), Lochlyn Munro (Deputado Scott Stubbs), Kyle Labine (Freeburg), Zack Ward (Bobby Davis), Paula Shaw (Pamela Voorhess), Gary Chalk (Xerife Williams), Jesse Hutch (Trey), David Kopp (Blake), Brent Chapman (Pai de Blake), Alistair Abell (Oficial Goodman), Robert Shaye (Diretor Shaye).

    COMENTÁRIOS

    "É um filme para quem gosta de mortes bem elaboradas,mas quem nao gosta de filmes onde a mais peito e sexo em vez de suspense,ira achar mais um terror teen babaca. "
    Pedro Henrique Sobral Rito

    NOTA:

    "Acompanho a jornada e a carnificina promovida por esses dois malucos desde meados dos anos 80, quando era um molequinho ingênio que se mijava de medo de seus filmes ( Tanto os do Freddy quanto os do Jason ).Porém o tempo passa e os costumes também.
    Hoje defitinitivamente encaro as duas franquias como um típico terror fast-food, valendo-se somente pelas mortes cometidas pelos maníacos.
    Freddy vs Jason me foi divertido quando o vi pela primeira vez.Não esperava já que fosse um primor, mas pelo menos que satisfazesse os fãs das duas séries ( Sou mais Jason do que Freddy, assim por dito.)
    A idéia de colocar os dois monstros quebrando o pau num mesmo filme, foi genial ( alguns discordam ), mas sua execução poderia ser ainda melhor, se não inventassem abobrinhas como "pontos fracos " dos assassinos.
    Quando é que o Jason passou a se borrar de medo de uma simples ducha de ÁGUA? E o elenco inexpressivo de vítimas?A protagonista Loree tem uma performance dígna de coadjuvante de Malhação.
    O tal namorado, Will, tem uma expressão facial de dar inveja ao Steven Seagal.Sem falar na Kia "Destiny's Child" que faz infelizes piadinhas com o Freddy Krueger perto do final.E fechando com chave de ouro:O primeiro azarado que morre nas mãos de Jason ( aquele que é dobrado como um sanduíche em uma cama ortopédica ) é um bichinha asseado que tem nojo de tudo ( "Odeio que me toquem depois de transar" ). Os furos de roteiro são perceptíveis pelos mais exigentes, mas vão passar batido por aqueles que querem apenas ver o sangue jorrar à litro no duelo dos psicopatas.
    Quando ocorre o famigerado encontro entre os titãs de terror, o filme decola.Por que daí já passaram mais de 50 minutos de pura encheção de linguiça e situações desnecessárias que só foram filmadas pra "Fazerem volume".Com excessões de algumas cenas boas como a do massacre na festa Rave no meio de um milharal. Já reparam naquele gordinho maconheiro que o Jason mata arremessando seu facão em chamas?Perceberam também que o fogo do facão NÃO SE APAGA quando atravessa pelo peito do sujeito?Pois é....
    O primeiro duelo entre o Freddy e Jason é no mínimo engraçado:Freddy faz o grandalhão pipocar pela fábrica como se fosse uma bolinha de jogo de PIMBALL, fazendo a telespectador se mijar de tanto rir.
    A sequencia quando o Freddy invade o inconsciente de Jason, tentando matá-lo em sua versão infantil é legal também.
    E finalmente o embate final entre os dois no acampamento Cristal.
    Tirando a cena tosca do Freddy lançando "torpedos" de tubos de gás no Jason, o resto do duelo foi bastante divertido e sangrento, com sangue jorrando continuamente entre os dois .
    No geral, é um filme "Slasher" razoavelmente bom e divertido.Vai agradar principalmente os fãs do Freddy, já que não viam um filme dele desde 1994 e também porque o mesmo espanca o Jason quase o filme inteiro. "
    Seu Nelson

    NOTA:

    "E ninguém mais ficou admirado com os poderes divinatórios daquele povo? Eles sempre sabiam o que estava acontecendo, meio que sobrenaturalmente. Me deu saudade da época em que as vítimas não faziam idéia do que irira acontecer. Ai,ai... "
    Naya Ferraz

    NOTA:

    "Desde quando os jovens precisam conhecer freddy para sonharem(ter pesadelos) com ele. "
    Antonino Queiroz Filho

    NOTA:

    "Eu esperava mais do filme!!! Mesmo eu sendo maniaco por Freddy Krueger eu não gostei muito do filme, axu q deveria conter mais cenas fortes!!! Agora em relação com ás mascaras, roupas e efeitos especiais ficou ótimo!!! "
    Michel

    NOTA:

    "APENAS DIVERTIDO, É DAQUELES FILMES QUE VOCÊ ASSITE SÓ PARA VER AS MORTES. "
    Danilo Gonçalves

    NOTA:

    "Eu achei o filme horrível! Foi mais comédia do q terror... aquela hora em q o Freddy se transfor ma numa minhoca bizonha foi terrível... sem contar no final q ele olha para a câmera e dá uma piscadinha... Horrível... "
    Fernanda Foralozzo

    NOTA:

    "nao acredito que seja um filme para ser visto mais de uma vez, porem e possivel se divertir na primeira sessao.
    a principal falha do filme foi a de desvalorizar os fans da serie e fazer um filme para quem nunca viu sexta feira 13 ou hora do pesadelo, ou seja e um filme justamente pra quem nao entende dos dois o que o torna um pouco ridiculo em alguns aspectos.
    outra grande falha deste filme (ja esperada) e a ausencia de um vencedor do duelo ou pelo menos um final mais intrigante.
    para completar queria deixar uma ultima bronca porque nao consgigo aceitar como eles passaram uma imagem de bonzinho ao jason, ele e praticamente o mocinho da estoria ! ! !
    valew galera eu amo esse site e muito legal se precisarem de alguma ajuda ou comentario particular sobre algum filme de terror, principalmente classicos como brinquedo assassino ou a profecia 666 , basta me mandar um email valewsss "
    Santinhu

    NOTA:

    "o filme é legal, mas nada muito fantastico. "
    Fernando Lazarini

    NOTA:

    "O filme é bem interessante embora tenha algumas sequências cômicas como o momento em que Freddy faz literalmente peteca de Jason, jogando-o pra lá e pra cá e quando Jason resolve dar o troco e fazer o memso. Bons efeitos, número de mortes razoavél, mas um tema batido demais. "
    Lechinski

    NOTA:

    "que filme mais sem graça
    uma historia estranha , a unica coisa que vale a pena assistir é a luta final dos protagonistas em Cristal lake na cabana isso sim vale apena... "
    Paulo Henrique Dotto

    NOTA:



    Texto: Lucas Puro Caminhoto
    N.E.: Esse artigo foi cedido pelo autor Lucas Puro Caminhoto para publicação no site Boca do Inferno, extraído originalmente do prestigiado site www.myers.cjb.net ("Halloween - o site brasileiro de Michael Myers"), editado por Alexandre Sobrino.

    ResponderExcluir
  3. existe uma teoria num livro que tenho sobre atlandita que diz que provavelmente atlandita ficava na área imaginária chamada de triângulo das bermudas e que talvez os navios de porte pequeno e grande,os aviõese as aeronaves que desapareceram nele foram sugados por uma energia sobrenatural criada pelos atlantes que na teoria sao extraterrestres que está enterrada no fundo do mara milhares de anos.

    ResponderExcluir
  4. leem tudo e se surpreendarao.Q1uem me dera um dia poder pisar no solo do continente perdido,tenho uma duvida sera q ha um ciclo onde atlantida fica um determinado tempo submersa e outro determinado tempo em superficie?o triangulo das bermudas e ''onde'' dizem q esta a atlantida se eu e minhas amigas tivessem as coordenadas coretas ou o mapa quando tivessemos 18 anos ou + iriamos ir ate miami em um navio a DERIVA mesmo q essa busca fosse um fiasco valeria apena correr esse risco, vai q achavamos a montanha e ouro,os cristaes ,os povos,um enigmatica estruturas de cristaes onde teria um codico a ser decifrados,um submarino parecido com um grande peixe,alem do + passar sobre o furacao e depois ainda ter q escapar de peixes e monsros enormes feitos de metais com um tipo de energia desconhecida pelos seres humanos do seculo depois q atlantida foi varrida do mapa .quem esta pronto pra esta viagem a atlantida?nao levem isso ao lado pessoal, se nao haver ninguem louco como pode-se encontrar as coisas mais misteriosas e interessantes da historia do mundo?quando eu e minhas amigas fazerem 18 anos torçam q voltemos vivas pois se vcs quizerem saber o q realmente ocorre no triangulos das bermudas e melhor deseja q voltemos vivas,nao e por causa do amor a vida(e isso algumas de nos nao temos por iso vamos nesta missao)e sim pq quero desvendar esse MISTERIO.nem pode ser considerado um misterio pois ainda nao foi desvendado pq nao houve pessoas com coragem suficiente para ''suicidar-se''(suicida-se quiz dizer ir ate o limite + temido por todos)assim iriam achar o q deve ser achado.torçam por nos daqui 4 a 5 anos e nos de BOA SORTE E BOA VIAGEM(se isso pode ser chamada de viagem sair de miame a um navio a deriva entrar no imaginario triangulo das bermudas e la rola umas paradas bem de anomalias + isso e mais um suicidio do q uma viagem de ferias + sem sacrificio nao ha vitori, fazer o q nao ha nada a fazer a nao ser ir pra nunca + voltar ou voltar e contar tudo q viu com provas materias comprovando o q foi dito e ficar rica d+)nossa minha mao ja ta doendo de tanto digitar.nao somos loucas e estamos muito longe de serem,pois tudo tem um fundamrnto ja q platao descreveu ter visto atlantida e por causa q alguma coisa tem um pingo de verdade tambem se nao existir atlantida voltamos com 1 mao na frente e outra atras desejamos boa sorte em quem leu este comentario e acreditem em nois pois acreditamos em vcs!(nossa, isso foi tao puxa saco)adeus!!!!!

    ResponderExcluir

Deixe sua mensagem
Diga-nos o que você achou sobre esta postagem